Por uma vida sem Photshop

Padrão

Eu adoro fotos. Sou cara de bolacha. As vezes, nooossa vontade de deletar todas. Mas eu me assumo, fazer o quê?Adoro uma foto.

Faço regime engordo de novo. Efeito sanfona em fotos, essa sou eu.

Mas a vida, genteeem, a vida não carece de photoshop. A vida é redonda, magra ou gorda, com ou sem braço gordo.

A vida não tem filtro.

As “pinta” se pintam num grau. Mas a tintura não para na cor.Tem que ter tudo tão over , tem que ter carro como luxo, tem que ter casa como luxo. But, cuidado na foto quando quer se passar por rica pra não aparecer o armário parcelado, aqueles de compensado. Ele seria lindo se tu não fizesse esse carão de rica,saca? O fundo fica falso.

Porque tudo pode ser lindo quando bemassumido, assim mesmo, escrito junto. Até essas minhas bochechas .

 

Certo é que a felicidade não costuma brilhar em fotos montada né?

Vejo que aquele brilho de vida,  nenhum flash ajeita.

Certas poses não se sustentam sem amor-próprio e amor ao próximo.

Afinal a vida não pode ser ajeitada no photoshop.

Beijo no ombro.Image

Jalusa Lima Biasi Galant

Anúncios

Balanço Geral

Padrão

2013 chegou pesado,na verdade 2013 na família Lima Biasi se apresentou no final de novembro de 2012. A morte repentina do nosso pai, o coração dele parou, mas o nosso, ah o nosso teve que continuar batendo, mesmo apertado.A gente lá em casa foi se buscando, se procurando ainda mais. Foi difícil demais.Ainda é.Mas a gente vai levando, disfarçando a saudade. Afinal naquela casa a tristeza não combina. Se por um tempo não temos como não conviver com ela, fomos aos poucos trazendo a música, o nosso cantar, foi abrindo aos poucos a janela. A a gente é assim, fala da dor, canta na dor. E vamos nos curando umas ás outras.E depois chegou a Rosinha lá em Itaqui e a Mariana em Bento, vida que chega, temos que recebê-las bem.

Mas 2013 também foi um ano de mudança pessoal, meu enfrentamento no Mestrado.Minha pergunta foi porque mesmo que eu não fui feliz durante o meu curso de Direito? No Mestrado fui lendo, ouvindo e entendendo, que na verdade eu não tinha as ferramentas para questionar o modelo de aulas que vivi. Onde o conteúdo cobrado era o conhecimento do professor. Que no jogo didático o poder estava em quem melhor reproduzia o saber do Mestre. No Mestrado fui vivenciando a construção do conhecimento. O aprender virou apreender o saber. Não que não tenha valido a pena meu o curso superior, mas entendam que a minha forma de ver o ensino não era aquela onde a boa aula era sinônimo de transmissão de conteúdo, onde o aluno era um balde onde era inserido ( transmitido)  conhecimento e depois mediam com uma régua (a nota). Aula não existe sem significar e onde a teoria é construída com a prática e não o contrário. Tive sim aulas muito significativas também, mas quando o professor nos dava autonomia para não só escrever a decoreba da Doutrina.Mas isso vai render muito pano na minha dissertação. Viu Bi, quem mandou me estimular a ser questionadora?

Tive também em 2013  o convite para participar da Comissão do Ensino Jurídico da OAB-RS, onde graças as as audiências públicas pude  me manifestar e me posicionei mas argumentando com pesquisas.

Mas foi em casa também, que obtive a prova de quem sempre ficará do teu lado é a tua família.Eu arrisquei a voltar ao mercado de trabalho depois de 3 anos trabalhando com o marido na Livraria. Ainda estou um tanto ‘fresca” no emprego, mas sinto-me confiante. As pessoas que encontrei lá estão sendo o diferencial da minha visão de futuro. Elas me acolheram, eu estou aos poucos sendo eu, apesar de ser tudo diferente do ID,onde eu liderava, hoje vejo que é igualmente desafiador estar no time como liderada. O que me preocupa ainda é a remuneração que ainda ainda não consigo manter o pagamento do Mestrado sozinha. Então aqui vai meu obrigada para minha mãe, o Dani que enquanto deu para a Central Livros me ajudar ele me ajudou e hoje em dia agradeço a minha tia Reny. Meus mecenas, vou retribuir á altura o investimento.

E sabe, isso, foi muito importante, eu aprendi a pedir ajuda. Tão auto-suficiente que sempre me achei. Toma que te mandaram D.Jalusa.

Mas esse é o grande lance da vida, aprender e ensinar.

Acho que ensinei um pouquinho pro meu marido a não ter medo de arriscar e que aumentamos a confiança recíproca , aquela frase#TAMOJUNTO nunca foi tão real.Tudo novo,eu no escritório e ele  vendeu a livraria e vai iniciar a carreira de consultor empresarial na Saffi.

Esse ano vou pedir que em 2015 eu possa experimentar a convivência com fraldas, mamadeiras, choros e risadas de bb.Mas, se não vier em 2015, é porque tudo tem o seu tempo. E se nunca vier? Adotarei um dia.

E que saber? Sinceramente depois da ida do pai, não fico triste pelo o que não tenho e sim agradeço mais e mais por cada dia. Afinal a gente nunca sabe quando vai ser o último.

Feliz 2014, um ano abençoado para todos!!!Amém.

Jalusa Biasi Galant

Trilha sonora Ivan Lins: http://www.youtube.com/watch?v=Vuuipjpn_sofelicidade

O momento é de desacomodação.

Padrão

Registro da cerimônia da minha posse como membro da Comissão Permanente de Ensino Jurídico da OAB-RS, pelas mãos do Presidente da Comissão Dr. Igor Danilevicz ocorrida dia 13.12.13 na sede da OAB-RS.

Tenho levado para os debates a questão da necessidade do MEC, OAB, professores e acadêmicos do Direito olharem para a Pedagogia Universitária para uma mudança no ensino tradicional onde o professor é o dono do saber e o aluno um mero reprodutor desse saber. Também que a CAPES verifique o porquê da disciplina de Metodologia do Ensino estar presente somente em apenas 45% dos Programas de Mestrado em Direito (principal lugar de formação do Professor acadêmico). A busca de um ensino reflexivo, associado á pesquisa, estimulando a autoria e o desenvolvimento da autonomia (protagonismo) dos alunos. Um ensino que leva em consideração o contexto do aluno e o seu conhecimento prévio do assunto (senso comum). O rankeamento gerado pelo Exame da OAB isoladamente não trará as mudanças no ensino, apenas aponta supostos culpados. A verdadeira revolução está na sala de aula, como nos traz Paulo Freire quando diz que quem ensina, também aprende. Aprender não vem através de transmissão de conteúdo e sim de construção de conhecimento. Apreender é dar significado aquilo que se vive em sala de aula, a qual não precisa ficar adstrita á quatro paredes. O Direito é feito de vida e não de reprodução de teoria ou doutrina. O aluno precisa tomar consciência que o seu papel não é apenas produzir notas, não basta apenas jogar o jogo didático confirmando que esse ou aquele professor dá boas aulas quando o aprova. Podemos fazer mais pelo ensino jurídico, mas pra isso é chegada a hora de desacomodação. O sistema tecnicista reproduz o poder posto e transforma uma massa de Bacharéis em meros operários e não lhes dá na maioria das vezes condições de ter voz para a mudança do status quo.

Nós podemos juntos. Nós podemos mais. Vamos lá fazer o que será (Gonzaguinha)

Um fraterno abraço.

Jalusa Lima Biasi Galant

Image

Anotações do Foro de Debates sobre o Ensino Jurídico e Exame da OAB-Porto Alegre

Padrão

Fala inicial do representante da Comissão de Educação Jurídica do Conselho Federal da OAB, Ademar Pereira:

Sobre o Termo de cooperação MEC e OAB:

Que as soluções não são céleres e as iniciativas não estão definidas ( Termos de cooperação MEC (Secretaria de Regulação).

OAB compartilha nas decisões e exige que as propostas sejam ouvidas.

A Câmara Temática da Secretaria de Regulação do MEC, hoje tem natureza pública.

Que as discussões não ficarão adstritas ao currículo, se pretende um marco que defina como fazer com que os cursos jurídicos tenham qualidade.

A intenção não é simplesmente reprovar cursos.

Hoje é praticado em algumas faculdades um engodo, se entrega um título.

Realidade de São Paulo: 260 faculdades de Direito ( somente 01 delas com 10.000 vagas)

Proposta para o marco regulatório:

Condições para a criação de novos cursos, modificações nas diretrizes curriculares nacionais. Propositura de modificações nas avaliações de cursos. Instrumentos de avaliação. Será apresentado dia 17.12.13, proposta de redução do período de aplicação do ENADE ( hoje de 3 em 3 anos), permite “maquiagens” dos cursos.

Proposta da avaliação ser anula e que os resultados sejam inseridos no histórico dos alunos como forma e forçar a realização das provas e evitar os boicotes.

Que o resultado do exame da OAB se aproxima do resultado do ENADE.

Manifestou o receio da troca do Ministro da Educação e a continuidade do Termo de Cooperação.

Perguntado sobre o porquê da OAB não assumir a elaboração das questões, disse que a FGV dá segurança quanto o risco de vazamento de provas que macularia a lisura do processo.

Sobre a retirada dos reprovados a cada 2 anos na contagem da evolução do resultado das Faculdades, manifestou-se favorável.

  Fala do representante da Comissão de Educação Jurídica do Conselho Federal da OAB, Ademar Pereira.

 Que em muitos casos o Exame da OAB é o cartão de visitas da Ordem para o recém formado e agora também para formandos.

A análise do segundo até nono exame unificado demonstram que quanto maior o número de faculdades, menor a aprovação.

Entre o segundo e o nono exame unificado:

Dos 21.392 inscritos no exame da oab 9 mil foram aprovados (44,8%).

Hoje há 2 milhões de Bacharéis no Brasil.

E a projeção é que a reprovação aumentará.

Que o problema está na formação do ensino médio.Alunos chegam despreparados, como exemplo na Lingua portuguesa.

Necessário ver o índice de aprovação por disciplina.

Mala de homem

Padrão

G-zuis!!!

Eu fiz 5 anos de casada dia 29.11.Eu sempre viajei e arrumei a minha mala e assumi as consequências disso.Sou desligada por natureza #prontofalei. Mas, desde que eu comecei a namorar meu hoje marido e ele me autorizou a fazer a nossa mala já teve de tudo.

Teve o casamento da Etiane Pinto em Santa Maria que eu levei só um pé de sapato e ele foi com o sapato do tio Ismael Schenini.

Teve o Reveillon que tinha baile em Itaqui e eu mesmo sabendo que o Clube Comercial não aceitava tênis esqueci o sapato social e ele foi com o sapato do pai da Marci, tio Carlitos.

Teve uma que não me lembro onde que ele foi sem cinto em um casamento.

Mas, a melhor foi o feriado que coloquei 2 cuecas e elas duraram ok sexta e sábado e no domingo onde não abria uma única loja #comofaz??? hahaha

Toda vez que isso acontece ele me diz convicto que na próxima vez ele arruma a mala dele.

Hoje estou eu esperando ele arrumar a mala dele porque ele vai ficar quase 10 dias em São Carlos-SP em um treinamento da empresa que ele vai trabalhar aqui no sul e ele me diz: bota no google Mala de homem. Fiz a pesquisa, a resposta foi sofrível:http://www.falandodeviagem.com.br/viewtopic.php?f=423&t=7082

Dito isso, peço aos blogueiros (as) de plantão, façam um post decente sobre arrumar mala de homem #COMOFAZ?

No mais vamos levando né Daniel Galant e como diz o Chico Buarque: sou bandida , sou solta na vida e sob medida pros carinhos teus, meu amigo, se ajeite comigo e dê graças á Deus.

Escutem na voz da Fafá :

http://www.youtube.com/watch?v=hX8oCx4cp_8